Saiba como fugir das mentiras mais contadas pelos vendedores

Muita gente gasta com itens que não atendem 100% às suas expectativas, levados pela lábia de quem está do outro lado do balcão

Imagine a seguinte situação: você entra na loja atrás de uma roupa exposta na vitrine. Ao experimentá-la, bate aquela frustração: a roupa é bonita, mas em você não caiu nada bem. Entretanto, o vendedor insiste em dizer que ficou ótimo, que você emagreceu cinco quilos e, ainda por cima, ficou mais jovem. Após esses apelos, você leva a peça para casa e, logo ao chegar, já está arrependido do dinheiro que gastou.

Se você já passou por uma situação semelhante, saiba que não foi o único. Muita gente gasta com itens que não atendem 100% às suas expectativas, levada pela lábia de quem está do outro lado do balcão. É bem verdade que, hoje em dia, os consumidores estão mais espertos. “A ideia de que vendedor bom é aquele que convence o cliente pela conversa não faz mais sentido. O consumidor não se ilude com frases prontas, não basta dizer que aquele produto é o melhor. É preciso explicar seus atributos e benefícios”, pondera Carlos Cruz, especialista em vendas, diretor do Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas), em São Paulo.

Ainda assim, é bom estar preparado para se livrar de possíveis saias-justas caso você dê o azar de cruzar com um vendedor que não tem muito bom senso. Aí vão algumas ideias de como reagir se ouvir uma das frases a seguir:

“Ficou um pouco justo, mas depois que lavar, alarga”

Se ele estiver realmente falando a verdade, então, é melhor nem levar. Afinal, roupa boa não perde a forma nem com muito tempo de uso, que dirá na primeira lavada. Aliás, se isso porventura acontecer, é bom saber – e talvez até esclarecer ao vendedor – que você tem direito a pedir uma indenização à loja e ao fabricante, no valor correspondente ao da peça. Isso também vale para uma roupa que, mesmo sendo nova, encolhe, embora tenha sido lavada da maneira adequada, segundo as instruções da etiqueta.

“É mais caro, porque é importado”

Não se deixe impressionar por esse tipo de informação. Hoje em dia, quase tudo o que consumimos é importado e vem diretamente da China. Na dúvida, compare com um produto similar nacional e veja se é vantagem pagar mais caro.

“O preço já está com desconto. Não dá pra tirar mais nada”

Sempre dá e o segredo é você se mostrar decidido a pechinchar. Para facilitar, comece a negociação consultando o valor do item para o pagamento no cartão, parcelado. Depois, diga que vai pagar à vista e, por último, ofereça a opção de pagar em dinheiro. Geralmente funciona.

“Só posso vender a calça se você levar a blusa”

Se o modelo original não for um conjunto, como um terno, por exemplo, o vendedor não só pode como deve vender as peças separadas. Lembre-se de que esse tipo de abordagem pode ser caracterizado como venda casada, o que é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor. Não aceite e, se for o caso, denuncie a loja.

“É a última peça”

Nesse caso, não há muito o que argumentar, até porque você não vai invadir a loja para conferir o estoque. O segredo é não se abalar e pensar melhor antes de decidir. Na pior das hipóteses, ainda que o vendedor esteja falando a verdade, você ainda terá a opção de comprar uma peça similar em outra loja. Ou, então, poderá economizar algum, para mais tarde investir em um item que realmente atenda às suas expectativas e necessidades.

Tags: compras consumo vendedores

Veja mais