Ouviu dizer que um plano está superavitário?

Entender o termo é fundamental para interpretar resultados

Em algum momento da vida você já deve ter ouvido falar no jornal: “a balança comercial teve superávit de tantos milhões” ou então “o plano 1 teve superávit”. São expressões bastante comuns no universo da economia que muitas vezes passam despercebidas. O primeiro ponto que precisamos saber é que superávit é algo positivo, em uma linguagem simples é a diferença positiva entre os ganhos e as despesas, geralmente utilizado para tratar dos resultados do governo ou de empresas.

Sabendo o que significa o termo, o segundo passo é entender as variações dele, mas principais as são: superávit primário e superávit nominal. O primeiro se refere ao valor que sobra depois de pagar todas as contas, só que neste caso, não se considera o pagamento de juros por dívidas públicas. No contexto do governo, utiliza-se essa expressão para analisar a balança comercial do país.

Já o superávit nominal inclui os juros das dívidas públicas, por isso ele muitas vezes é mais difícil de ser alcançado. Considera-se que além de conseguir pagar todas as despesas, o governo ainda consegue quitar esses juros por um tempo determinado. 

Por outro lado, você também já deve ter ouvido “contas do governo registram déficit de tantos reais”. O déficit é o oposto do superávit. É quando as despesas ultrapassam o faturamento total. O déficit orçamentário do governo, por exemplo, é quando existem mais contas do que arrecadação. Já o déficit da balança comercial é quando há mais importações do que exportações.

Muito tem se falado em déficit nos últimos tempos em relação à Previdência Social. Esse é inclusive o principal argumento utilizado pelo governo para realizar a reforma. A Previdência social revelou que só em abril deste ano o déficit foi de R$ 13,6 bilhões. No acumulado do ano, o déficit da Previdência chega a R$ 65,7 bilhões. A arrecadação soma R$ 130,5 bilhões e a despesa, R$ 196,2 bilhões.

Alguns planos como os de previdência complementar, têm tido superávits nos últimos anos, o que significa que a rentabilidade foi boa e consequentemente vale a pena investir nesse tipo de plano para garantir um futuro confortável para você e seus dependentes.

Você é superavitário ou deficitário?

Colocando no dia a dia, pessoas superavitárias são aquelas que gastam menos do que ganham. E porque isso é positivo? Porque neste caso elas não precisam recorrer a empréstimos, não gastam dinheiro com os juros e podem fazer investimentos. Os superavitários acabam desempenhando um papel de empréstimo, seja o governo, por meio do Tesouro Direto, ou para os bancos, por meio de CDBs, por exemplo.

Enquanto isso, os deficitários gastam mais do que ganham, ou seja, precisam frequentemente de empréstimos pessoais, de crédito rotativo ou do cheque especial para cobrir seus gastos. Esse grupo acaba pagando, de maneira indireta, os juros para os superavitários.

O segredo para ser um superavitário é organização. Ter inteligência financeira garante que você tenha qualidade de vida e ao mesmo tempo se prepare para uma aposentadoria tranquila. 

Tags: previdênciacomplementar superávit