Não deixe de conhecer essas estratégias para poupar

Não deixe de conhecer essas estratégias para poupar

Não é fácil poupar dinheiro. Para começar, em alguns casos, é preciso mudar radicalmente os hábitos. Enquanto se está no processo de formação desta reserva, a disciplina e o esforço pessoal é que farão toda a diferença.

Os especialistas concordam: que uma vez que o futuro poupador esteja convencido de que as renúncias de hoje significarão a realização de grandes sonhos no futuro, a tarefa ficará mais fácil de ser cumprida.

“No começo, as pessoas ficam meio incomodadas com a necessidade de economizar. Porém, depois de colher os primeiros resultados, elas percebem que essa é uma forma de viver melhor, de ganhar qualidade de vida”, afirma o administrador Carlos Von Sohsten, autor do livro “Como cuidar bem do seu dinheiro” (Qualitymark Editora). Siga estas dicas de especialistas para facilitar a importante tarefa de aprender a poupar.

Pague mais um imposto: calma, não é piada. Estamos falando do investimento compulsório, ou seja, algo de que você não poderá “se livrar”, como o pagamento de um imposto. Um exemplo dessa modalidade é o “Imposto Pessoal para Construção da Riqueza”, método criado por Von Sohsten. A ideia é se comprometer a poupar uma porcentagem de sua receita mensal, como se esta quantia fosse destinada ao pagamento de alguma despesa obrigatória, um “imposto” que será revertido em benefício próprio. “O ideal é que pelo menos 10% da receita seja economizada todos os meses”, sugere o autor. E se você não consegue se disciplinar sozinho, algumas instituições financeiras disponibilizam modalidades de poupança e investimento cujo débito é feito de maneira automática da conta-corrente, todos os meses, de acordo com o valor estabelecido.

Faça aplicações de longo prazo: para não cair em tentação e acabar gastando todo o dinheiro que conseguiu juntar, muitas vezes até numa compra feita por impulso, escolha investimentos em que o resgate do valor não é tão fácil ou tão vantajoso em curto prazo, como é o caso dos planos de previdência complementar e do Crédito de Depósito Bancário (CDB). “Mas não se esqueça de deixar uma quantia disponível e acessível, em outro tipo de aplicação, caso ocorra alguma emergência ou imprevisto”, alerta o consultor financeiro Yury Dimas, franqueado máster da Finnance Seu Crédito.

Não gaste mais do que ganha: parece óbvio, mas muitas pessoas fazem do cheque especial e do cartão de crédito uma extensão do salário. É nesse ponto que acabam contraindo mais dívidas do que conseguem pagar e a situação fica fora de controle. Se for o caso, peça ao gerente do banco para diminuir o seu limite de cheque especial e fique com apenas um cartão.

Tags: dinheiro educação financeira finanças planejamento financeiro

Veja mais