Idosos serão um quinto do planeta em 2050, diz OMS

População envelhece rápido, mas sem garantia de saúde nos anos “extras”, afirma relatório

Os avanços da medicina ajudam a ampliar a expectativa de vida da população, mas isso não quer dizer que as pessoas desfrutem de saúde nesses anos extras. A afirmação é da Organização Mundial de Saúde (OMS) que divulgou um relatório segundo o qual o número de pessoas com mais de 60 anos será duas vezes maior em 2050, o que exigirá uma mudança social radical. O órgão contabiliza cerca de 900 milhões de idosos atualmente, ou cerca de 12,3% da população total. A expectativa é de que em 2050, esta fatia represente 21,5%, mais de um quinto do planeta (2 bilhões).

Por isso, a OMS propõe três grandes mudanças: tornar os lugares em que vivemos em ambientes amigáveis para as pessoas mais velhas, realinhar sistemas de saúde às necessidades dos idosos, e os governos desenvolverem sistemas de cuidados de longo prazo que possam reduzir o uso inadequado dos serviços de saúde agudos, garantindo a dignidade nos últimos anos de vida. O mesmo estudo mostrar que a expectativa de vida global é de 66 anos e em 2050 será de 72.

- Hoje, a maioria das pessoas, mesmo em países mais pobres, vivem por mais tempo – diz Margareth Chan, diretora-geral da OMS. – Mas isso não é suficiente. Precisamos assegurar que esses anos extras sejam saudáveis, significativos e dignos. Alcançar esse objetivo não será boma apenas para os mais velhos, será bom para a sociedade como um todo.

Vida longa não é necessariamente vida saudável

No Brasil, a expectativa de vida de um bebê nascido hoje é de 75 anos. E para quem tem 60 anos é de 82, em média. Segundo a OMS, no Brasil, os idosos passarão de 24,4 milhões para quase 70 milhões em 2050.

- A OMS está dizendo aos seus 193 países membros: acordem! É preciso pensar no idoso, temos de dar ênfase a eles. Porque o envelhecimento está chegando rápido – comenta Alexandre Kalache, presidente do Centro Internacional para Longevidade, no Brasil, para quem no país, será preciso dar atenção à educação. – Outro investimento no Brasil deve ser na formação educacional dos médicos que hoje estudam como se vivessem no século XX e não no século XXI.

Por que tantos especialistas em reprodução, se cada vez mais nascem menos bebês? Precisamos de melhores cardiologistas, geriatras e, de uma forma geral, de médicos que foquem nas doenças crônicas.

Ao contrário das suposições generalizadas, o relatório conclui que há poucas evidências de que os anos adicionais de vida são desfrutados com melhor saúde do que no caso das gerações anteriores na mesma idade.

Isso porque, há a impressão que a tecnologia, inclusive na área da saúde, tenha “melhorado” a condição das pessoas.

- Infelizmente, os 70 ainda não parecem ser os novos 60 – atesta John Beard, diretor do Departamento de Envelhecimento e Curso de Vida da OMS, que endossa a tese de que a probabilidade das pessoas mais velhas estarem passando por vidas mais longas e saudáveis é de que tenham vindo de classes mais favorecidas da sociedade.

A maioria dos problemas de saúde enfrentados por pessoas mais velhas são associados a condições crônicas, principalmente doenças não transmissíveis. Muitas delas podem ser prevenidas ou retardadas. Outros problemas de saúde podem ser controlados de maneira eficaz, principalmente se forem detectados cedo o suficiente.

E mesmo para as pessoas com declínios na capacidade, os ambientes de apoio podem garantir que elas vivam vidas dignas e com crescimento pessoal contínuo. O relatório, conclui no entanto, que o mundo está longe desses ideiais. Segundo a OMS, o envelhecimento da população demanda resposta abrangente da saúde pública.

Mudança de foco
O relatório enfatiza que enquanto algumas pessoas mais velhas exigirão cuidados e apoio, as populações idosas, em geral, são muito diversas e podem fazer várias contribuições para as famílias, comunidades e sociedade em geral.

O estudo cita uma pesquisa que sugere que essas contribuições superam quaisquer investimentos que podem ser necessários para fornecer serviços de saúde, cuidados de longa duração e de segurança social necessárias para as populações mais velhas. Outra constatação é de que a política tem de mudar de uma ênfase no controle de custos, a um foco em permitir que as pessoas mais velhas façam o que importa a elas.

Fonte: O Globo
 

*Os conteúdos deste portal têm caráter informativo e são produzidos pela empresa Engrenagem Virtual; não refletem necessariamente uma recomendação da Entidade.

 

Tags: futuro idosos qualidade de vida saúde

Veja mais