Aproveite a Páscoa para ensinar educação financeira para os pequenos

Várias barras de chocolate ou só um ovo de Páscoa?

Lá vem a Páscoa novamente e com ela a “passarela dos Ovos de Páscoa” é montada com embalagens lindíssimas e com preços de tirar o fôlego até mesmo dos mais aficionados por chocolate.

As crianças, ao verem ao desfile, logo querem cair na folia e seus pais, em memória das tradições pascais da família, aguardam ansiosos para que a comissão julgadora reavalie os preços praticados, na esperança de também caírem na folia, em prol da criançada.

Todo ano é a mesma coisa e dificilmente alguém separa algum dinheiro para a compra dos ovos de Páscoa com antecedência.  Dos mais simples aos mais requintados, é ali, nos dois últimos minutos do segundo tempo, que a decisão entre comprar qual ovo, de qual marca, de qual gramatura, é tomada.

Dar chocolate em barra na Páscoa parece que não tem graça.

A tradição diz que coelhos botam ovos de chocolate, então o chocolate deve ter o formato de um ovo. Um ovo? E quem se contenta com um ovo?

Rapidamente, ao calcular os preços dos ovos de Páscoa, multiplicado pelo número de crianças da família a serem presenteadas percebemos que opções menos custosas como caixas de chocolate e chocolates em barra, devem ser consideradas. Aí vem o peso na consciência de não ter engordado o porquinho para a Páscoa.

Para as crianças maiores, deem-lhes a oportunidade de escolher, tomando este caso como exemplo: a) duas barras de chocolate e mais R$ 10 ou b) um ovo? Se a escolha for pela primeira opção, além de você economizar, do seu filho ganhar o dobro de chocolate e mais R$ 10, você terá, ainda, a satisfação de saber que essa doce lição de educação financeira adoçará as finanças de seus filhos para o resto de suas vidas. Isso não faz parte do nosso papel de pais? O que fazer, então, para começar a transmitir ensinamentos financeiros às crianças com relação à questão do consumo na Páscoa?

Comece a ensinar o real significado da Páscoa às crianças: muitas famílias celebram a Páscoa Cristã por tradição, mas não se importam em transmitir o real significado de uma das festas religiosas mais sagradas do Cristianismo. A partir daqui, já fica bem fácil explicar que o coelho e o ovo são apenas símbolos e que os ovos eram apenas ovos (ocos) de verdade pintados com cores bem alegres e não vinham com brindes.

Ensine sobre orçamento e escolhas financeiras: No quesito escolhas, os pais são muitas vezes mais animados do que as crianças na escolha dos ovos. Faça com as crianças o exercício sobre escolhas de vida e mostre que o valor em dinheiro de um único ovo de Páscoa pode render muito mais, caso sejam realizadas escolhas inteligentes. Imponha a vocês – pais e filhos – um valor limite de consumo para esse evento e procure pagar à vista por esse desejo. Não faz sentido se apertar financeiramente ou ter dívidas parceladas por meses, após o coelho já ter partido.

Se for preciso, explique por que não “aquele” ovo :  As crianças poderão ficar um pouco chateadas, caso tenham que abrir mão daquele ovo de chocolate naquele ano, mas depois que a data se vai, ninguém fica remoendo sentimentos de frustração pelo resto da vida por conta de um ovo de chocolate que não foi ganho. Seja sincero. É preciso que as crianças comecem a entender que o que se deve prevalecer sempre, e acima de tudo, é a união amorosa da família, seja em qual momento for. Juntos, sempre encontrarão formas de superar as dificuldades, de forma criativa.

As crianças crescem e é preferível que desde cedo elas sejam orientadas, para que cresçam seguras de suas próprias pegadas. O coelho? Ninguém sabe onde suas pegadas o levaram.

Feliz Páscoa!

Silvia Alambert é educadora financeira de crianças e jovens, fundadora do programa de educação financeira The Money Camp™ no Brasil.

Tags: consumo educação financeira família Páscoa

Veja mais