70% dos brasileiros admitem gastos desnecessários para cuidar da aparência

Estudo do SPC mostra que comportamento é mais comum na classe C e em mulheres

Estudo feito pelo Serviço de Proteção do Crédito (SPC Brasil) mostra que 70,4% dos consumidores têm o hábito de comprar produtos ou serviços de beleza – mesmo sem necessidade – sobretudo as mulheres (79,2%) e pessoas da classe C (73%).  Os itens mais mencionados nas compras desnecessárias são roupas, calçados e acessórios (37,1%), cuidados com o cabelo (25,6%) e cosméticos e maquiagem (23,8%).

Na mesma pesquisa, 76,9% dos entrevistados reconhecem que já compraram, ao menos uma vez, algum produto ou serviço de beleza que não chegou a ser utilizado. Outro dado é que quatro em cada dez (43,7%) consumidores ouvidos admitiram gastar mais com produtos de beleza quando estão deprimidos e querem levantar a autoestima.

Com uma parcela considerável de consumidores priorizando gastos com beleza, muitos acabam terminando o mês sem sobras no orçamento: 38,7% confessaram na pesquisa que já deixaram de guardar dinheiro para adquirir produtos ou serviços relacionados à beleza, com destaque para as mulheres (51,4%), pessoas com idade entre 18 e 34 anos (53,4%) e que pertencem à classe C (42,4%).

Enquanto algumas pessoas deixam de economizar porque gastam parte da renda com produtos de beleza, há entrevistados que fazem o contrário: mais de um terço (33,7%) das pessoas ouvidas alega ter o hábito de juntar dinheiro para conseguir comprar produtos e serviços desse segmento, percentual que sobe para 42,4% entre o público feminino.

Para o educador financeiro, José Vignoli, “Cuidar da beleza é importante para manter a autoestima e a satisfação pessoal. Nesse sentido, a pesquisa reforça que grande parte do público enxerga esse tipo de gasto não como algo supérfluo, mas como uma necessidade do dia a dia. O alerta é que isso deve ser feito com moderação, entendendo as reais possibilidades e sem prejudicar o orçamento doméstico”, orienta.

Tags: beleza consumo estética família orçamento pesquisa saúde

Veja mais