14% da população se declara vegetariana no país, revela pesquisa IBOPE Inteligência

A busca por uma alimentação saudável, sustentável e ética consolida o aumento de pessoas vegetarianas

 

Uma pesquisa realizada pela IBOPE Inteligência, em abril deste ano, apontou que 30 milhões de brasileiros são adeptos ao vegetarianismo. Isso representa um número maior do que as populações da Austrália e Nova Zelândia juntas.

O levantamento mostrou que os brasileiros possuem interesse por produtos veganos – livres de ingredientes de origem animal: 55% dos entrevistados declararam que consumiriam mais produtos veganos se fossem indicados adequadamente na embalagem, e 60% admitiram que comprariam se o preço fosse o mesmo do que o dos produtos que consomem normalmente. Nas capitais, esta porcentagem dispara para 65%.

A revelação nos mostra que o crescimento no número de pessoas adeptas à alimentação que exclui (ou que reduz) carnes e derivados do cardápio é reflexo da preocupação crescente de toda a população com os impactos de seu consumo. Um dos pontos de atenção tem a ver com a pecuária e as condições de vida dos animais. Por outro lado, grandes organizações, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), vêm se posicionando em relação ao desenfreado consumo de carnes, e reconhecem os benefícios de uma alimentação vegetariana na saúde.

Estilo de vida que vai muito além da dieta

Como mencionado anteriormente, os veganos excluem quaisquer alimentos ou produtos de origem animal de suas vidas. Não se vestem com roupas de couro, seda ou lã, também não usam medicamentos ou cosméticos testados em animais, geralmente obtidos por métodos exploratórios.

Aspectos religiosos, espirituais e, principalmente, questões relacionadas ao meio ambiente e à ética animal levam a cada vez mais pessoas a aderirem esse estilo de vida.

A dieta que exclui carnes, ovos, leite e derivados, mel, gelatina, entre vários outros alimentos, tem como maior fonte de alimentação vegetais, grãos, integrais, cereais, frutas e legumes. A proteína de soja e seus derivados também fazem parte de uma alimentação vegana.

Para quem quer aderir ou reduzir o consumo de produtos de origem animal, é preciso introduzir outros alimentos que tomem o lugar dos eliminados para não ter uma dieta nutricionalmente pobre. A nutricionista Carolina Favaron indica: “É importante fazer acompanhamento com médicos e avaliar os níveis de vitamina na corrente sanguínea, identificando e corrigindo deficiências”.

Equilíbrio e consciência

É importante dizer que não existe razão para se preocupar com a exclusão do grupo animal na alimentação vegana, já que se trata de uma maneira de consumir mais alimentos saudáveis, como os orgânicos e frescos, por exemplo.

Muitos veganos, ao contrário do que muitos pensam, comem muito bem e de forma variada. Existem centenas de alimentos naturalmente veganos como arroz, feijão, legumes, hortaliças, castanhas, frutas e muitos outros. Há também pratos tradicionais que não têm nada de origem animal em suas receitas originais. É o caso de muitas receitas árabes, brasileiras, italianas, mediterrâneas e orientais. São muitas as opções que podem ser encontradas. Já imaginou comer um delicioso hambúrguer ou um cachorro-quente feito de proteína vegetal?

Os nutricionistas revelam que o importante é equilibrar a dieta e evitar o uso de produtos industrializados. Saiba que é fundamental consumir alimentos frescos e integrais em refeições regulares, com intervalos de três horas e beber bastante água. No entanto, essas dicas servem não apenas aos veganos, mas a todos que buscam um estilo de vida mais saudável. Aposte nisso e viva melhor!

Tags: alimentação veganismo vegano vegetais

Veja mais